#IssoÉOuro | #ThatsGold: Decodificando uma Olimpíada em tempo real

Os bastidores do trabalho que desenvolvemos local e globalmente para a Coca-Cola nos Jogos Olímpicos Rio 2016 e como a Mutato contribuiu para que a marca se tornasse a mais relevante nas redes sociais durante o evento

O aquecimento para a Rio 2016 começou mais de um ano antes daquela abertura emocionante que nos fez lembrar o quanto é legal ser brasileiro. Estivemos envolvidos na maioria dos momentos pré-olímpicos da Coca-Cola. Participamos da definição do conceito criativo do TVC veiculado no Brasil, criamos a narrativa de conteúdo para o carregamento da Tocha Olímpica desde o período de inscrições - e, quando o fogo olímpico aportou no Brasil, plugamos influenciadores na incrível jornada do @OUrsoOficial, criando uma aventura que cruzou o Brasil e engajou o público à Coca-Cola e a Rio 2016.

Desde o fim de abril, um time de 30 pessoas rodava o País seguindo @OUrsoOficial. Aqui na Mutato, o restante da equipe se dedicava a pensar o conteúdo que seria produzido durante os Jogos. Ainda faltavam três meses para o evento começar e já terminávamos de amarrar a estratégia. Na paralela, nosso time de Criação trocava de mesas para que todos os envolvidos estivessem juntos e, no planejamento, a galera se desdobrava entre um keynote (e muitos) outro(s) até que todas as pontas estivessem amarradas e o fio condutor do conteúdo da companhia durante os Jogos estivesse definido.

@OUrsoOficial em uma de suas passagens pelo Nordeste, registrado pelo Wilson Jr., DA aqui da Mutato

@OUrsoOficial em uma de suas passagens pelo Nordeste, registrado pelo Wilson Jr., DA aqui da Mutato

E eis que, lá por Junho, recebemos o desafio de escalar esse plano em âmbito global. Era hora de ver se o que vinhamos fazendo no Brasil poderia ser replicado em outros mercados. Com um prazo desafiador, chegamos à concorrência global com uma solução criativa de conteúdo de deixar todos os envolvidos orgulhosos - seja pela velocidade da entrega, seja pela proposta que levamos.

Com a resposta oficial de que estávamos no jogo e que, mais literalmente, estávamos dentro dos Jogos Olímpicos também para outros mercados, nossa vida dali em diante envolveu muitas reuniões, noites de descanso reduzido e uma viagem internacional. Depois disso tudo, tínhamos uma estrutura narrativa definida. Era preciso colocá-la em prática.

A(S) ESTRATÉGIA(S)
Já na semana anterior à abertura dos Jogos, as pessoas envolvidas no Real Time passaram a trabalhar no "fuso olímpico". Nosso escritório deu aquela esvaziada e parte da Mutato começou a despachar diretamente da Newsroom da Parada Coca-Cola, no Píer Mauá, um dos espaços de ativação de marca mais celebrados do evento todo. Cliente, agências parceiras e nosso time estavam ali todos juntos, numa rotina diária de geração de conteúdo que dialogava com os momentos mais memoráveis da Rio 2016.

Enquanto isso, o time envolvido na operação global produzia a série de filmes "Record Breakers", em que influenciadores do Brasil, Reino Unido, Estados Unidos e Austrália se juntavam para quebrar recordes pouco usuais, curtindo Coca-Cola e a companhia uns dos outros. Passamos por locações na praia, num clube da Ilha do Governador e outro no Jardim Botânico - tudo isso com a cidade já abarrotada de turistas e com a Tocha circulando pelo Rio. Ainda bem que tivemos a luxuosa ajuda do Lucas Rangel para ciceronear outros influenciadores também com uma tonelada de seguidores: Jake Boys, Allie Marie Evans, Hazel Clark, e os irmãos Cody e Alli Simpson.

Além dos filmes, a estratégia global foi complementada por um toolkit de materiais que pudessem ser usados pela Coca-Cola em diferentes mercados durante os Jogos. Alguns dos resultados:

E, claro, contamos com os filmes com os influenciadores:

Para o Brasil, o conteúdo que criamos rendeu, em média, 7 postagens diárias. Impactamos mais de 20 milhões de pessoas e batemos já na primeira semana o alcance do real time da Copa do Mundo de 2014.

E, na final do futebol masculino, desatamos um nó láááá de 2014. Um trabalho que criamos com gosto amargo na boca, mas que nos trouxe muita alegria por ter se tornado uma das reações de marca ao 7x1 mais simbólicas. Lembra do nó na garganta? Eis a nossa resposta:

Tivemos mais uma prova de que criamos conteúdo de qualidade para diferentes mercados de forma competitiva, e que eles recebem muito bem nosso modelo de trabalho - co-criação e colaboração, a partir de uma empresa híbrida: agência e produtora audiovisual, que pluga especialistas e parceiros técnicos com fluidez para entregar o melhor resultado - seja de engajamento, de buzz ou de conversão -, para nossos clientes. É a prova de que nossa estrutura, leve, contemporânea e sempre em transformação (‘mutato’ significa mudança em latim), se acomoda bem inclusive em mercados mais maduros.
— Eduardo Camargo, CEO & CCO da Mutato

Foi uma experiência tão intensa quanto - ou até mais que - passar dias indo de uma competição a outra como espectador. Nas semanas em que o Rio virou o mundo, nós não desligamos dos Jogos. O resultado não poderia nos deixar mais satisfeitos: a Coca-Cola foi a marca mais relevante durante o evento esportivo. E, agora, já estamos pensando no que está por vir. Alguém falou em Tóquio 2020?